Diferença entre o Cristianismo Ocidental e o Cristianismo Oriental

Alguns de nós acreditam que toda a cristandade está unida como estabelecimento religioso, no entanto, ela também tem numerosas divisões e divisões, assim como as igrejas cristãs ocidentais e orientais.

Sua divisão oficial ocorreu no ano de 1054 em vista de uma progressão de contraste religioso e filosófico não apenas entre o Ocidente latino e o Oriente grego, mas também na Igreja Católica Romana e os Protestantes.



O cristianismo oriental e ocidental podem estar no mesmo terreno, mas nunca podemos negar suas diferenças de uma forma ou de outra. Este artigo discutirá mais detalhadamente o que eles são individualmente e como eles diferem um do outro.

O que é o cristianismo ocidental?

O Cristianismo Ocidental incorpora a Igreja Católica e a Igreja Protestante. A Igreja Católica Romana tem os maiores seguidores do planeta com mais de 1,29 bilhão de indivíduos. Enquanto a Igreja Protestante é formada por vários grupos em todo o mundo e tem seus fundamentos básicos da Igreja Católica.



O líder da Igreja Católica Romana é o bispo, conhecido como Papa. Os ensinamentos da Igreja são encontrados no Credo Niceno. Seu órgão de supervisão focal, denominado Santa Sé, fica na Cidade do Vaticano, situada no interior de Roma, Itália.

Esta Igreja impactou extraordinariamente várias partes do raciocínio, ciência, cultura e habilidade no Ocidente. A Igreja Protestante, seja como for, é conhecida por proteger com segurança a primeira confiança cristã que a Igreja Católica Romana abandonou.



O que é o cristianismo oriental?

A Igreja Oriental também chamada de Igreja Ortodoxa Oriental é um grupo de 13 congregações nacionais gratuitas situadas em lugares melhores no Hemisfério Ocidental da Europa. Essas capelas são semelhantes em ensinamentos, santas observâncias e governo da igreja; no entanto, cada um trata de seus próprios assuntos particulares.

Os estudiosos da Igreja Oriental consideram os católicos romanos e os protestantes blasfemadores. Seja como for, semelhante aos protestantes e católicos, os discípulos da Igreja Oriental valorizam a Sagrada Escritura como a Palavra de Deus, a Trindade, Jesus Cristo como Deus o Filho e diferentes lições bíblicas. Ainda assim, no que diz respeito aos princípios, eles são mais parecidos com os católicos romanos do que com os protestantes.

Diferenças entre o Cristianismo Ocidental e o Cristianismo Oriental

Entre as distinções estavam as questões da origem do Espírito Santo, a reivindicação do Papa de Roma com relação à jurisdição e outras razões; bem como a questão sobre qual pão deve ser utilizado como parte da Ceia do Senhor.



Diferenças teológicas no Cristianismo Ocidental e Oriental

O cristianismo oriental e ocidental aceitam a Trindade de maneira bem diferente. O Ocidente seguiu as lições de Tomás de Aquino e Agostinho de Hipona, que vê o povo da Divindade unido em uma quintessência divina.

Por outro lado, o Cristianismo oriental acredita que a Trindade é composta por três pessoas celestiais distintas. Para eles, Deus Pai é certamente único em relação à individualidade de Deus Filho e à individualidade de Deus Espírito Santo.

Eles confiam que, à luz do fato de que o Pai é o originador da eternidade da Divindade, o Filho é criado pelo Pai antes da fundação do mundo; e o Espírito Santo originou-se do Pai à luz do fato como indicado por eles. Deus o Pai é o único originador do ser celestial.

Além disso, Deus o Pai não é gerado enquanto Deus o Filho se origina de Deus o Pai. Além disso, o Espírito Santo, que é o terceiro indivíduo da Trindade, origina-se do Pai.

O cristianismo ocidental, por outro lado, confia que Deus não tem qualificações entre Seu caráter e substância, por isso todos os traços são iguais dentro da quintessência celestial.

A convicção da Igreja Oriental e Ocidental sobre a predestinação é igualmente única. O Oriente está convicto de que todos os homens foram predestinados para serem poupados por meio do Filho de Deus encarnado. Embora o Ocidente acredite que os eleitos são predestinados, a salvação pode ser perdida se você for excomungado.

Diferenças litúrgicas no cristianismo ocidental e oriental

Durante a adoração, a Igreja Ocidental promove a posição ajoelhada em oração, enquanto os locais de culto Ortodoxos Orientais têm seguidores normalmente em pé. O pão sem fermento (feito sem fermento) é utilizado como parte dos costumes da Igreja Romana, enquanto a Igreja Ortodoxa utiliza pão com fermento. Além disso, a Igreja Oriental permite o casamento no pastorado, enquanto os clérigos católicos do Ocidente devem permanecer abstinentes.

Diferenças eclesiológicas no cristianismo ocidental e oriental

O Oriente acredita que os primeiros papas não tinham controle sobre os sacerdotes. Para eles, o Papa é apenas um ministro de alta posição, cuja autoridade deve ser considerada por diferentes administradores religiosos. Enquanto o Ocidente dá ao Papa uma Adoração e dá-lhe o título de Vigário de Cristo, que significa “no lugar de Cristo” aqui na terra ..

O Oriente está afirmando que o Papa não é um administrador super-bispo que tem controle sobre outras diocesanas. Seja como for, a Igreja Católica Romana Ocidental está declarando que o Papa é o Vigário de Cristo e deve ser considerado como tendo o título designado apenas ao Senhor Jesus Cristo. O Ocidente tem uma contrapartida do Papa, que é chamada de Patriarca, mas essa posição não tem poder semelhante ao do Papa.

A questão do filioque no cristianismo ocidental e oriental

A Igreja Oriental acredita que a substância e as qualidades de Deus são misteriosas para toda a criação. Afirmam que os católicos romanos promovem a ideia de que o Espírito Santo “vem do Pai e do Filho” (filioque). Conseqüentemente, o Oriente acredita que abandona a Tradição dos Apóstolos, que eles dizem que mostrou com segurança que Deus Pai é a primeira Fonte do Espírito e do Filho.

Tabela de resumo: diferenças no cristianismo ocidental e oriental

Resumo dos versos ocidentais do cristianismo oriental

Apesar do esforço dos papas católicos e dos patriarcas ortodoxos para consertar o rompimento, a reconciliação com cada organização foi feita do começo ao fim. Um impedimento é a maneira como os ortodoxos e os católicos veem a razão do distanciamento.

A posição católica oficial é que os ortodoxos são dissidentes, sugerindo que não há nada de irregular em sua racionalidade religiosa, simplesmente sua relutância em reconhecer a impecabilidade do Papa que é mostrada nos princípios católicos. Além do mais, os católicos dizem que é basicamente uma questão eclesiológica, e não filosófica.

Não obstante, com cada um desses conflitos, tudo se resume a uma afirmação de que tanto a Igreja Católica Romana Ocidental quanto a Ortodoxa Oriental de alguma forma distorceram a fé Bíblica genuína para promover seus interesses pessoais.